"Rádio Juventude Católica"

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Enxergar a vida com esperança

04 JAN 2016
04 de Janeiro de 2016

Reler nossa vida a partir da graça de Deus é uma atitude que precisamos adotar com urgência. O cristão precisa ser especialista em enxergar a vida com esperança, com uma alegria objetiva. Esperança é um movimento, é acreditar, por isso tem a ver com fé.  “A fé é o fundamento da esperança, é uma certeza a respeito do que não se vê” (Hb 11,1).

“Ah, estou desanimado, perdi o entusiasmo, não tenho coragem!” A palavra desânimo tem a ver com falta de ânimo. É a falta de Deus. Entusiasmo significa estar cheio de Deus. Não vou ter alegria, portanto, não vou ter entusiasmo se não encher o meu coração de Deus. A palavra “coragem” significa a ação que vem do coração. Não vou ter essa ação que vem do coração se meu coração estiver cheio de coisas negativas.

É uma proposta de vida, mas o cristão é aquele que faz ver o que ninguém enxerga. O cristão precisa ser aquele homem e mulher da esperança:

“E a esperança não engana, porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Rm 5,5).

Se vivo essa dimensão da esperança, passo a reler a minha vida sem negar as situações difíceis.

Há um só batismo que renovo cada vez que recuso o mal na minha vida, cada vez que renuncio ao demônio, autor e princípio do pecado, cada vez que renuncio ao meu vício. Mas para viver esse único batismo há uma só fé (cf. Ef 4,5). Vou renovar a minha fé no amor infinito de Deus, na minha Eucaristia que se renova. Esta que se renova significa o amor de Deus que se renova por mim em casa, na reconciliação periódica.

Uma das coisas de que mais temos medo na adolescência e na juventude é a confissão. Se o adolescente está vivendo um processo de autoafirmação, e isso é próprio da idade, ele tenta mostrar quem é, começa a brigar com a mãe e o pai, ele é muito carente de amor e carinho. Mas não se deve tratá-lo como uma criança. Ele está precisando reafirmar que já é adulto e entra em crise: “A quem desobedecerei? Se vou embora às 10h, o meu colega que pode chegar às 10h15 vai aproveitar para me insultar: ‘A mamãe está esperando?’”.

O número de jovens que fumam cigarro está caindo a cada dia, graças a Deus; mas o número de adolescentes e jovens que fumam maconha está crescendo numa proporção assustadora, tanto que revistas seculares estão trazendo matéria seriíssima, cientificamente corretas explicando os malefícios da maconha.

E por que isso tem ocorrido? Hoje, vemos a distância entre pais e filhos. O pai sabe tudo, o filho não sabe nada. Faça o inverso e elogie o seu filho. Não devíamos ter medo de elogiar as pessoas.

Hoje, os casais vivem o mesmo problema. Parece que temos medo de elogiar as pessoas. Não dizemos: “Como você está bem! Como está bonito! E aí, alguma novidade? Não, tudo normal.” Parece que novidade é só quando surgem situações difíceis. Quando acontece uma coisa ruim, você telefona, vai atrás da pessoa, corre para um lado, corre para o outro.

Diante da vida adotamos um olhar estragado, ferido, machucado, que gera pessoas frustradas. Não tenha medo. Dom Bosco ensina isso. Ele dizia aos pais: não tenham medo de elogiar seus filhos. Elogie a beleza física de seus filhos, elogie o corpo de sua filha, elogie o corpo de seu filho, faça com que ele perca esse aspecto malicioso, elogie as coisas belas que seu filho faz, que sua filha faz.

Um dos maiores malefícios do “encardido” é nos levar a acreditar que no mundo só há gente ruim, que as coisas que ocorrem são negativas e que só há problemas no mundo. Isso é uma grande mentira! Você precisa estar convencido disso, caso contrário, deixa de ser cristão. A grande maioria das pessoas é boa, mas, em primeiro lugar, olhe para você mesmo. Na sua vida já aconteceram muitas coisas boas e maravilhosas, isso gera a verdadeira oração.

Padre Léo, scj

Fonte: Canção Nova

Voltar